Oi, tudo bem?

Estou seguindo a série de postagens sobre produção aqui, onde já falei sobre as etapas de pré-produção (executiva e artística) e produção (o momento da gravação e as escolhas de microfonação). Sigo hoje neste processo, falando um pouco sobre minhas escolhas recentes de mixagem que é ,para mim, a parte mais importante da pós-produção.

Nos últimos anos tenho pensado muito sobre a sustentabilidade de um artista, ou traduzindo em palavras simples: a relação entre as despesas e receitas de poder fazer aquilo que se acredita artisticamente. No meu caso específico, estou fora do mercado do mainstream tanto por escolha quanto por não ter os atributos que este nicho central procura. Por isso, a entrada de dinheiro em caixa existe, mas ninguém aqui está ficando rico com isso. Por outro lado, é viável manter uma relação equilibrada com a economia quando nos envolvemos com os processos de produção e temos conhecimento suficiente para maneja-los a nosso favor e a favor dos produtos artísticos que buscamos produzir.

Ao longo dos últimos dez anos venho trabalhando paralelamente com gravação e mixagem de áudio no meu pequeno estúdio. Ele é pequeno mesmo: uma sala de aproximadamente 20 metros quadrados com uma mesa de som, monitores de áudio, microfones, cabos, instrumentos e algumas cadeiras. Nada luxuoso, mas bastante funcional. Dentre os principais aprendizados dos últimos tempos está o uso cada vez maior de plugins gratuitos ou stock plugins (aqueles plugins que vem junto com a DAW, no meu caso o Logic).

Este processo de abraçar o que era gratuito passou especialmente por um período de baixar a guarda e testar. Me lembro de há muitos anos atrás usar plugins sem custo que tinham péssima qualidade ou que atendiam apenas parcialmente as minhas necessidades. Hoje posso dizer com certeza: é possível mixar um disco em altíssimo nível sem comprar nenhum plugin! Tanto é, que mixei o álbum recente do Rafael Thomaz Septeto apenas com eles. Esta atitude não tira o valor dos plugins pagos. Eles continuam sendo opções incríveis para solucionar problemas de forma rápida e eficaz. No entanto, é preciso reconhecer que os plugins gratuitos não deixam nada a dever para os pagos em termos de qualidade sonora. É possível atingir níveis de complexidade musical e artística extremamente altos com eles.

5 descobertas felizes

Abaixo listo alguns plugins gratuitos que tem sido extremamente úteis aqui no meu dia-a-dia de mix:

1 – TDR Nova

Este plugin é um excelente equalizador dinâmico que pode atuar tanto como um simples EQ quanto com um compressor multibandas. Ele é fantástico para trabalhos simples como um De-esser ou uma equalização comum, mas também é incrível para ser usado no canal Master (ou na masterização) pra fazer trabalhos mais delicados como conter frequências inconvenientes em processamento M/S. Pode ser usado também como um EQ de soma paralela através do botão mix dentro do plugin. Enfim, um multifuncional daqueles que completa bem os equalizadores e compressores já disponíveis na DAW.

2 – Limiter nº6

Na minha opinião o grande ponto fraco dos stock plugins são os limiters. Os que conheço até funcionam, mas são muito simples e pouco confiáveis. O Limiter nº6 é um outro multifuncional com o principal intuito de ser o último efeito por onde o som vai passar. Ele tem um compressor, um limiter comum e um limiter dedicado às altas frequências. A interface é simples, até um pouco feia, mas não desmerece este plugin indispensável.

3 – TDR Kotelnikov

Pra mim este é o grande achado até agora! Um compressor especialmente pensado para o master bus. Ele tem pequenos truques que permitem chegar em sonoridades muito interessantes com poucos clicks. Um hi-pass, um detector sensível ou não às informações do side e diferentes opções de compressão para os picos e para o RMS. Estas opções fazem deste plugin um dos que mais tenho usado ultimamente. Aliás, aconselho uma boa olhada nas outras opções grátis da TDR (e as pagas também, por que não?).

4 – Youlean Loudness Meter

Em tempos de Loudness War (ou seria um quase pós-guerra?), esta ferramenta é fundamental. Existem alguns medidores de loudness gratuitos por ai, mas este, na minha opinião é o mais legal, bonito e funcional.

 

5 – Brainworks bx_solo

Este plugin pequenino é uma mão na roda tanto para monitoração quanto para seu uso como um efeito nos grupos e canais estéreo. Ele tem poucos botões que fazem muita coisa!! Um inversor de L e R, solos para L, R, Mid e Side e um ampliador (ou redutor) do campo estéreo. Precisa de mais alguma coisa?

Categorias: Blog